Guilherme Gurgel

Artista do Coletivo BB arte – Bio e Acervo

Ateliê do artista visual Guilherme Gurgel

“O que me interessa é o movimento produzido pelo choque entre peças diferentes. O que não se move está morto, o que está vivo está sempre se tornando outro. Sou técnico em meteorologia e bacharel em Cinema e Audiovisual, o céu nunca para de mudar e o filme só existe enquanto as imagens se tornam outras e outras. Ao fim da faculdade pesquisei sobre o choque entre som e imagem, o que se produz quando ambos se desenrolam ao mesmo tempo, não necessariamente se correspondendo. Estudei sonorização de filmes silenciosos no século XXI, quis entender choques, choque entre tempos diferentes, choque entre campos sensoriais distintos, onde o século XXI invade a década de 1920 e vice versa, onde escutamos imagens e vemos sons. O que se produz? O que se faz mover? Também trabalhei por dois anos em arquivos audiovisuais, preservando rolos de filmes e qualquer material relacionado a cinema.

A riqueza que eu enxergava no arquivo tinha a ver com o acúmulo, com as combinações e os (des)encaixes. Todos os filmes que chegavam deviam ser salvos para a posteridade, desde os canônicos até filmes que ninguém jamais assistiu, tínhamos resíduos de filmes, sobras de imagem, rolos não montados e fragmentos de filmes perdidos coabitando as mesmas prateleiras. Um grande acúmulo de passados que ofereciam uma infinidade de novas possibilidades de futuro.
Passei o ano de 2019 estudando ilustração e pintura, de vez em quando tento tocar alguma coisa com meu violão. Meus progressos mais frutíferos têm sido na pintura, mas encaro ela como parte de um trabalho muito mais amplo que pretendo desenvolver ao longo da vida. Quero explorar os choques e os movimentos que eles produzem, exatamente por isso minha atenção tem se voltado cada vez mais para a animação e a arte contemporânea.”
“Venho tendo uma trajetória bastante eclética nas artes, explorando diversas técnicas e me desafiando a sempre investir em áreas novas. Comecei a desenhar quando me recuperava de um acidente em 2014, preenchendo o mês e meio que fiquei de cama com um fazer artístico que me era muito prazeroso na infância, mas que a escola havia me feito deixar de lado. Nesse período acabei reorientando a minha vida e tomando a decisão de largar o emprego de técnico em meteorologia que tinha em São Paulo e voltar a morar no Rio de Janeiro para cursar Cinema e Audiovisual na UFF. Ao longo da graduação, tive a oportunidade de estagiar por dois anos e meio em dois arquivos audiovisuais muito importantes, a Cinemateca do MAM e o Centro Técnico Audiovisual (CTAv). Ainda que o trabalho fosse majoritariamente técnico (revisão de materiais, emissão de boletins sobre o estado de cada rolo de filme, organização do acervo etc.), o contato diário com aquelas imagens e o caráter efêmero delas me colocou diante de várias provocações a respeito da memória e da história coletiva, passei a tentar levar isso para minha arte. Percebi que tinha que incluir o tempo entre as variáveis das minhas obras, seja porque eu sei que todos os materiais sofrem de alguma maneira as alterações físicas que ele provoca, seja porque me acostumei na meteorologia a ver o céu mudando a cada dia ou no cinema a ver o valor da imagem de acordo com expectativa que ela traz pela próxima. Minha breve produção acadêmica até então, meu TCC sobre sonorizações de um filme silencioso no século XXI, se trata exatamente de explorar as maneiras como passado e futuro se chocam quando a imagem cinematográfica se torna um perpétuo campo de exploração estética. Concluí a faculdade em 2018, com meu primeiro filme, o Fora D’Água, ainda em produção e iniciei o curso de Fundamentos da Pintura na Escola de Artes Visuais do Parque Lage, ministrado pelo professor Luís Ernesto. Nesse mesmo ano entrei para o Coletivo Meu BB e passei a expor em nossa galeria na Fábrica Bhering. Nos últimos meses tenho estudado ilustração digital e me tem vindo a mente a ideia de produzir um curta metragem de animação.”

Veja abaixo obras do artista Guilherme Gurgel, disponíveis no Espaço BB arte – Ipanema.
Passe o mouse sobre a foto ou aumente manualmente para ver detalhes da obra.

No final desta página assista o vídeo em que a artista fala do seu trabalho.

Título: “Você Pagou Com Traição”

Técnica: óleo e acrílica sobre tela
Dimensão: 70 x 50 cm
Sobre o carnaval e bloco Cacique de Ramos.