Chico Cunha

“ Não é por acaso que o aparecimento de coletivos nas artes plásticas cariocas vem se dando com mais frequência de uns anos para cá. Esses grupos podem atuar, de certa forma, em uma espécie de borda do mercado e dos espaços tradicionais e instituições. A falta de políticas de incentivo, a necessidade de troca de experiências e o aumento da quantidade de produção local motivam os artistas a se unir para juntos legitimar sua obra, gerando uma visibilidade da mesma, já que o trabalho de arte se completa com o olhar do outro. Quando procurarmos o significado da palavra coletivo, encontramos a seguinte definição: “O que é capaz de abranger um grande número de pessoas e/ou coisas; o que pode pertencer a um grande número de pessoas”. No momento atual, toda ação que una pessoas, que divulgue a arte e que de alguma forma gere união e pensamento não só é necessária, como é muito bem-vinda. “
Chico Cunha

Jeannette Priolli

“ No Dic.com.br assim é para quem faz uma leitura rápida da palavra Coletivo; porém para a Marcia Marschhausen, o significado dessa palavra vai além, muito além – Coletivo, para ela, significa “Mãos Entrelaçadas“ – é acreditar/realizar que um exclusivo grupo de artistas, nos dias de hoje, possa se apoiar, trocar vivências e as informações necessárias em uma pequena clareira que está sendo aberta em Ipanema. A nossa Marcia vai reunir pessoas ao redor de uma chama, como há milênios os nossos antepassados faziam, para trocar experiências e ideias. Marcia, como curadora sensível que é, terá como meta que os seus artistas sejam vistos e ouvidos no coletivo e assim também individualmente , visando como resultado trabalhos que possam ser mostrados e divulgados com seriedade. Esse é um pequeno resumo do que a palavra Coletivo representa para a nossa Marcia ! “
Jeannette Priolli
Jeannette Priolli
Artista visual